• + 44 7448 115566
  • Victoria Avenue, EC2M 4NS, London
News Photo

Você é realmente o que você vê? Imagem corporal e suas nuances

Essa definição foi expandida com estudos mais recentes.

Slade (1988) definiu imagem corporal como “a imagem do tamanho, peso e formato do nosso corpo que temos em nossa mente; e os sentimentos relacionados com as características das partes do corpo”.

Em termos mais simples, imagem corporal é o modo como percebemos o nosso corpo em nós mesmos.

Essa imagem é formada com o avanço do desenvolvimento e pode mudar, dependendo do estado emocional da pessoa, estando intimamente ligada ao processo de autoestima (discutida em outro post).

Imagem corporal é observada na Infância, onde esta é um determinante na formação da identidade e do conceito do “eu”; onde estímulos positivos levaria a criança a ter autoestima adequada para que esta consiga se desenvolver propriamente, executar as tarefas e interagir com o ambiente de maneira adequada.

Como a criança aprende interagindo com o meio, a influência dos que a circundam serão significativos para a criação de uma autoimagem positiva.

Pais ou cuidadores que a elogiam por feitos, enaltecendo seus atributos físicos, e a reforçam positivamente colaboram para que a autoimagem como um todo seja positiva (incluindo emoções positivas atreladas à imagem corporal).

Contrariamente, as crianças que sofrem bullying na escola ou em casa, recebem referências negativas relacionadas ao seu corpo ou parte deles, é criada em um ambiente disfuncional, podem desenvolver a idéia de imagem corporal deturpada.

Fatores genéticos, psicossociais e cognitivos também são determinantes de autoimagem e imagem corporal (o que pode justificar as diferentes maneiras como cada um experiencia o desenvolvimento psicológico).

Hoje notamos na clínica pacientes que possuem uma composição corporal impecável do ponto de vista estético, mas que apresentam muitas dificuldades pela imagem corporal deles estarem ligadas à conceitos adquiridos previamente.

Indo um pouco além, podemos citar o fenômeno paralelo da cirurgia plástica onde pacientes que aparentemente não necessitam de intervenção cirúrgica, insistem que “o nariz está torto” ou a barriga está “com muita gordura”.

Fatos que parecem estar mais conectados à uma imagem corporal deturpada do que ao próprio físico.

O fortão externo ainda pode carregar a imagem corporal do “gordo baleia, saco de areia” da infância, ou o “magrelo, “vareta” pode estar presente no atleta. Esses fatores, caso não sejam tratados, podem trazer muito sofrimento psicológico, caso a intervenção adequada não seja atingida.

Gostaria de deixar claro que, caso queira mudar algo em seu corpo através de cirurgia plástica, sou muito a favor se isso resultar em bem-estar e boa autoestima. Porém aqui me refiro à busca incessante pela perfeição.

Quero exemplificar aqui que a imagem corporal é algo que precisa ser cuidada ou resignificada, a fim de evitar danos maiores a autoestima e ao desenvolvimento.

Não podemos deixar de mencionar a influência das redes sociais no conceito de autoimagem e imagem corporal, onde usuários são bombardeados por corpos e rostos perfeitos que, muitas vezes, são modificados/melhorados com ajuda da tecnologia.

O visualizador, caso esteja com sua autoestima comprometida, vai entender a imagem como uma ameaça ou entender como o “ideal” que deve ser perseguido.

Internet se transformou em um campo minado para a autoestima e autoimagem.

A junção de um desenvolvimento não satisfatório somado ao ambiente virtual pode fazer com que indivíduos desenvolvam ansiedade, depressão e/ou transtornos alimentares e de imagem, incluindo anorexia, bulimia, compulsão alimentar e vigorexia.

Como última consideração, é importante reforçar que alguns dias se sentir mal com a aparência é normal; porém se o sentimento persistir a maior parte do tempo, este pode ser sinal de um problema que precisa ser explorado e que necessita de intervenção profissional.

Procure um profissional qualificado o quanto antes, à fim de minimizar os danos que problemas de imagem corporal podem causar.

Referências:

Slade, P. D. (1994). What is body image?. Behaviour research and therapy.

American Psychiatric Association. (2013). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (5th ed.).

 

Compartilhar Postagem

ingles portugues